(placeholder)

Para cima

CEL - Bataria de Alpena

Equipada com 8 obuses Krupp de 280mm, Tipo C (MK)

A guarnição era composta por elementos dos batalhões de Artilharia de Costa. O sistema tinha uma linha fortificada de bocas-de-fogo e um reduto à retaguarda. A bateria formava uma linha contínua de oito espaldões que estavam funcionalmente divididos em duas secções, ou sectores de tiro, Alpena I e Alpena II.

Alpena I virada mais a norte, cruzando com S. Julião da Barra, entre este e o Forte do Bugio e Alpena II mais virado a sul a cobrir a frente marítima das praias da Caparica até à barra do Tejo, passando pelo Forte do Bugio.

Fazia parte do Sector Defensivo Sul e ligado ao Forte da Trafaria por uma estrada militar.


Bibliografia


Monumentos


Autoridade Marítima Nacional


Defesa Nacional


BERGER, José Paulo (Coronel) (2017), "Campo Entrincheirado de Lisboa", Tertúlias de  História Militar (apresentação ), Direcção de História e Cultura Militar, 21 de Maio de 2017.


SOUSA, Pedro Marquês de (Tenente-Coronel), "A Artilharia de Costa na Defesa de Lisboa na 1ª Guerra Mundial (1914-1919)", in Revista de Artilharia, n.1100-1102, Abril-Junho de 2017, pp.83-1000.



A posição de artilharia do reduto de Alpena (inicialmente baptizado como “Bateria do Infante D. Pedro“), foi projectada pelo capitão de engenharia Hermano José D. Oliveira Júnior e pelo tenente de engenharia António dos Santos Viegas, perto dos antigos redutos da Raposeira Grande e Raposeira Pequena (hoje já desaparecidos).


Recebeu uma ampliação em 1901, projecto da responsabilidade do tenente de engenharia Adolfo César Pina. O pano de muralha ficou com cerca de 1 km de comprimento. É ainda identificável, por vista aérea, um fosso hexagonal escavado que denuncia a existência de um reduto de campanha na retaguarda do reduto de Alpena, que teria a função de cobrir a retaguarda da muralha de ataques vindos de terra, assim como o acesso ao Forte da Trafaria pela estrada militar.

Foto: Tenente-Coronel Pedro Marquês de Sousa (FaceBook)

Foto: Tenente-Coronel Pedro Marquês de Sousa (FaceBook)