(placeholder)

Para cima

Regimento de Infantaria 14 - Viseu

O Regimento de Infantaria de Viseu teve a sua origem no Batalhão de Infantaria n.º 24, de Viana do Castelo , em 1837 (Dec. 04Jan1837; OE 17, 26Fev1837, p.10), o qual foi transferido para esta cidade em 1841, tendo então tomado o nome de Batalhão de Infantaria n.º 14 (Dec. 16Fev1841; OE 03, 10Jan1841, p.1)

 

O Regimento de Infantaria n.º 3 que se encontrava na cidade foi transferido nessa data para Viana de Castelo (Dec 28Nov1842; OE 56, 15Dec1842)

 

O Batalhão de Infantaria n.º 14 passou a Regimento de Infantaria n.º 14, em 1842 (Dec 28Nov1842; OE 56, 15Dec1842, p.5), com o numeral que ficou liberto com a extinção do então Regimento de Infantaria n.º 14, em Tavira, após a convenção de Évora-Monte em 26 Maio de 1834.

 

Na cidade também se encontrou aquartelado o Regimento de Artilharia n.7 desde 1911(Dec 08/06/1911; OE 13, 1ªS, 09Jun1911), e o Quartel General da 2ª Divisão Militar (Dec. 08/06/1911; OE 13, 1ªS, 9Jun1911, p.951 e 957), ambas as Unidades até 1926.

 

 

O Regimento de Infantaria n.º 14 no seu estandarte ostenta a Cruz de Guerra de 1ª Classe e as seguintes Legendas:


1914 - 1915 Intervenção em Angola

 

3º Batalhão de Infantaria do Regimento de Infantaria 14

 

O Corpo Expedicionário a Angola, comandado pelo Tenente-coronel Alves roçadas levou consigo o 3º Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 14. Todos os homens que formaram a força foram voluntários.

 

3º Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 14

 

O Batalhão foi formado a quatro companhias a quatro pelotões cada. Comandante do Batalhão o Major Alberto Salgado e ajudante o Tenente José de Melo Ponces de Carvalho.

 

9ª Companhia Regimental Comandante: Capitão Artur Homem Ribeiro

 

1º Pelotão: Tenente António Rodrigues Marques

2º Pelotão: Alferes Amadeu Gomes de Figueiredo

3º Pelotão: Alferes João de Araújo Piçarra

 

10ª Companhia Regimental Comandante: Capitão José da Fonseca Lebre

 

4º Pelotão: Tenente José Augusto Monteiro

5º Pelotão: Alferes Pedro Canelas

6º Pelotão: Alferes Fausto de Matos

 

11ª Companhia Regimental Comandante: Capitão António Lopes Mateus

 

7º Pelotão: Tenente Luís de Albuquerque Pimentel e Vasconcelos

8º Pelotão: Alferes Silvério do Amaral Lebre

9º Pelotão: Alferes Miguel António Ponces de Carvalho

 

12ª Companhia Regimental Comandante: Capitão Aristides Rafael da Cunha (voluntário do RI 6)

 

10º Pelotão: Tenente José Cabral

11º Pelotão: Alferes Reinaldo Vale de Andrade

12º Pelotão: Alferes Armando Augusto da Costa

 

Serviço de Saúde:

 

Médico Tenente Afonso José Maldonado (voluntário de uma unidade de Artilharia de Costa)

Médico Alferes Francisco Marques Rodrigues Moreira (voluntário do Regimento de Infantaria  n.º 11)

 

Serviço de Abastecimento:

 

Oficial Provisor Tenente de Administração Militar Francisco Moreira de Almeida

 

 

Em Angola o Major Alberto Salgado comandou a força de o Tenente-coronel Alves Roçadas enviou para ocupar o Forte Roçadas. A força era apresentava uma força de cerca de 900 homens, constituída pelas 9ª, 11ª e 12ª Companhias, 2ª Bataria do 1º Grupo de Metralhadoras, a Bataria de Artilharia Erahrdt e o 1º Esquadrão de Dragões de Angola.

 

O 3º Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 14 foi a principal força portuguesa no combate contra as forças alemãs, no dia 18 de Dezembro de 1914, em Naulila.

 

Deve ser lembrada a actuação do Tenente António Rodrigues Marques, que após a morte do comandante da sua companhia em combate, o Capitão Artur Homem Ribeiro, e de ter sido dado ordem de retirada pelo Tenente-coronel Roçadas, ficou no Forte com o seu Pelotão para retardar os alemães e permitir que as restantes forças portuguesas pudessem retirar ordenadamente. Neste derradeiro momento juntaram-se ao seu Pelotão os seguintes voluntários de outro pelotões. (esquadra comandada pelo Cabo José Abrantes)

 

Cabo 380 José Abrantes

Soldado 313 Joaquim Santos

Soldado 294 Luís Joaquim Arrepio

Soldado 373 João Caria Monteiro

Soldado 516 Joaquim Luís

Soldado 227 Januário Augusto Pimenta

Soldado 404 Luís Fernandes

Soldado 379 António Gonçalves de Brito (Ferido em combate. Faleceu no Hospital de Windhuk)

Soldado 421 João Barreiro (Ferido em combate)

Soldado 308 Damião Pereira (Ferido em combate)

Soldado 381 Francisco das Chagas (Morto em combate)

Soldado 382 Moisés Esteves da Torre (Morto em combate)

 

No final da intervenção do 3º Batalhão em Angola, perdeu no total 107 homens. (1 oficial, 2 sargentos e 104 praças)

Regressou à Metrópole nos finais de Julho de 1915.

1916 - 1918 Intervenção em França

 

1º Batalhão de Infantaria do Regimento de Infantaria 14

    

A 26 de Março de 1916, sob o comando do Coronel Adolfo Lebre, o comandante do Regimento levou até Tancos o 1º Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 14. Estes homens formaram com as restantes tropas a Divisão de Instrução que foi o núcleo do posterior Corpo Expedicionário Português a França.

 

A 22 de Março de 1917, partiu de Viseu de comboio para Lisboa o 1º Batalhão. No dia 23 de Março embarcaram em Alcântara nos transportes A, B e C, escoltados pelos contratorpedeiros HV e HO, para França. Embarcou um total de 27 oficiais, 58 sargentos e 1.149 praças. Chegaram ao Porto de Desembarque, em Brest, no dia 26 de Março. O Batalhão foi comandado pelo Major Horácio Severo de Morais Ferreira.

 

Após um período de treino específico para a guerra de trincheiras, ocuparam e assumiram a responsabilidade do sub-sector de Fauquissart II, a 10 de Julho de 1917. O Regimento de Infantaria n.º 14, em conjunto com os regimentos 12, 9 e 15, formaram a 3ª Brigada da 1ª Divisão do Corpo Expedicionário Português.

 

A 13 de Janeiro de 1918, o Batalhão ocupou o sector de Neuve-Capelle, conhecido como o "Sector da Morte", nome dado pelos inglês quando anteriormente ocuparam a esse mesmo sector.

 

Ataque português às linhas alemãs no dia 19 de Março de 1918

 

A 2ª Companhia do Batalhão de Infantaria n.º 14, da 3ª Brigada, da 1ª Divisão do Corpo Expedicionário Português, após um bombardeamento sobre as linhas inimigas e de rastejar pela Terra de Ninguém, assaltou as trincheiras alemãs. Foi uma missão coroada de êxito, tendo conseguido alcançar todos os objectivos, fazendo prisioneiros, causando baixas e estragos consideráveis ao inimigo.

 

 

Participação na Batalha de La Lys no dia 9 de Abril de 1918

 

Encontrava-se acantonada em Pont Riquel, como parte da 3ª Brigada da 1ª Divisão, a qual estava de reserva à 2ª Divisão que cobria o sector português à data. O Batalhão sob o comando do Major Vale de Andrade cumprindo ordens avançou às 7 horas para os postos de combate na Linha das Aldeias. O Major Vale de Andrade ficou ferido durante o combate.

 

Apesar da intensidade dos combates a 1ª e 2ª Companhias conseguiram ocupar as suas posições nos postos Eton e Charter House respectivamente, onde permaneceram até às 11h 45mn combatendo. Nesta manhã distinguiu-se em combate o Alferes José Baptista da Silva.Quando terminou o dia, o Batalhão retirou com 15 oficiais e 707 praças, tendo como baixas 1 oficial e 66 praças.

 

Guarda de Honra ao Rei de Inglaterra em Agosto de 1918

 

Em Julho de 1918, o Batalhão encontrava-se em Les Ciscaux. Nesta data assume o comando o Tenente-coronel João de Almeida Leitão. Em Agosto o Batalhão sob o comando do comandante do Batalhão, marchou para Mametz onde prestaram honras ao rei de Inglaterra, Jorge V, de passagem naquela localidade.

 

 

Apoio ao Corpo de Engenharia Inglesa n.º 469 em Outubro de 1918

 

Em Outubro de 1918, o Batalhão cooperou com o corpo de Engenharia Inglesa n.º 469, para recuperar a estrada entre  Armentieres-Lille. O principal objectivo foi a recuperar a ponte de Lille e os acessos próximos, para permitir a passagem da artilharia, durante o avanço sobre a cidade.

 

 

 

Comandantes do R14

 

Coronel Augusto César Pires Seromembo ( 1913 - 1914 )

Coronel Manuel Rodrigues Ermitão ( 1914 - 1915 )

Coronel Adolfo Cardoso da Fonseca Lebre ( 1915 - 1917 Julho )

Coronel António de Almeida Leitão ( 1917 Julho - 1919 )

 


Bibliografia


Cid, António José do Amaral Balula(1957), "Subsídios para a História Militar da Beira Alta: Unidades de 1ª Linha de Infantaria que tiveram Quartel na Cidade de Viseu", Lisboa, Tipografia da LCGG.


Nogueira, Luís Franco (1994), "Localização dos corpos do Exército de Portugal Continental e Insular 1640-1994: Caderno de História Militar n.º 24", Lisboa, Ministério da Defesa Nacional.


VVAA (1991), "Genealogia dos Corpos de Exército: 1ª Parte Armas - Cadernos de História Militar, n.º 13", Lisboa, direcção do Serviço Histórico-Militar